Seja Otimista

“Que lugar é este?”

“Bem vindo meu amigo! Este é o lugar onde existem dois tipos de pessoas: os que escrevem e os que não lêem. Conforme está escrito naquela placa!”

Isso é apenas uma antiga piada, usada muitas vezes para motivar a necessidade de uma boa comunicação para o sucesso de uma organização ou projeto, mas ainda bastante útil nos dias de hoje.

Por exemplo, aqui aproveito do mesmo expediente para introduzir idéias por meio de um tema além da simples comunicação direta: o otimismo.

Hoje em dia, com tudo de errado acontecendo na política brasileira, ser otimista e AGIR de forma coerente com esse conceito é essencial. Por exemplo, queremos mudanças na política. Queremos pessoas honestas e competentes nos cargos políticos. Queremos nos livrar dos bandidos e dos incompetentes. Concorda?

“Sim! É claro!”

Agora, se um amigo seu, com ótimo passado e competência comprovada resolve se candidatar, o que você diz?

Eu acabei de ler no jornal que o Bernardinho poderá ser candidato a Governador do Rio de Janeiro em 2014.

Achei a notícia excelente! Porém, fiquei impressionado com os comentários ignorantes que se seguiram à notícia. Coisas do tipo: “Decepcionado!”; “Achei que ele era honesto”; “Ele caiu no meu conceito”; e outras do tipo que nem posso escrever aqui.

Como é que queremos mudança se criticamos quem tem coragem e se apresenta, com referências e qualificações, para ajudar a criar a mudança? Que tipo de “lógica burra” é essa demonstrada por esses comentários? Que cultura “vira-lata” é essa? Não é à toa que se candidatam “sempre os mesmos”, e a mesma criatura de pouca inteligência que escreveu os comentários contra a nobre atitude do Bernardinho vai reclamar que não tinha candidatos bons e votará em branco! Haja ignorância!

Eu digo o seguinte: falta otimismo nesse país. Otimismo de verdade! Não falsas esperanças baseadas em devaneios, mas otimismo baseado em excelente comunicação.
“Otimismo e comunicação? Mas o que comunicação tem a ver com otimismo?” perguntaria alguma alma atenta!

Excelente pergunta! Isso é um bom sinal! Indica que a “porta da recepção” para o entendimento está aberta. É um bom começo: a mente que procura informações completas! A mente inteligente!

Mas, afinal, o que seria otimismo? Alguns logo o definiriam como “um estado passageiro, enquanto não adquirimos a informação completa”.  Essa é a interpretação distorcida dos chamados “pessimistas”. Segundo essa idéia, o conhecimento sempre traria algo de ruim. Algo que nos transformaria em pessoas tristes, inseguras, rancorosas. Algo que nos transformaria em “pessimistas”.

Você acredita nisso? Discorda? Ou simplesmente repetiria cegamente, com a ingenuidade de um papagaio de realejo? Use a lógica. Procure pela verdade antes de propagar qualquer idéia errônea, qualquer absurdo.

Pense bem, o conhecimento sempre está ao alcance da alma atenta, da mente inteligente.
Na verdade, o conhecimento nos faz enxergar a realidade e não tem nenhuma conexão com ser “pessimista” ou ser “otimista”. Nesse contexto, o conhecimento nos  transforma sempre em “realistas”. Pessoas sem informação correta não são otimistas nem pessimistas, são simplesmente “ignorantes”.

A escolha entre ser “otimista” ou “pessimista” só pode ser feita depois de sabermos da informação completa e verdadeira, conhecer o cenário.

Portanto, “otimistas” são pessoas que, conhecendo a realidade, escolheram seguir a busca de sues ideais, sempre acreditando nas possibilidades de vencer os obstáculos. São “realistas com coragem”.

Já os “pessimistas”, são “realistas covardes”.

E então? Que escolha fazer? Não cabe a mim, ou a qualquer outra pessoa, dizer qual opção alguém deveria escolher. Isso é uma questão muito pessoal. Só posso sugerir e confirmar a  importância de se ter um objetivo e acreditar que é possível alcançá-lo. Essas são condições necessárias para o sucesso. Otimismo é essencial para realizações.

Contudo, infelizmente, alguns ainda preferem ser pessimistas e passam a ignorar ou odiar nobres objetivos.

Pior ainda, muitas vezes a escolha de ser “pessimista” é inconsciente. A atitude negativa já se entranhou tanto nas suas rotinas que nem é mais percebida. Simplesmente tornou-se parte da “ladainha” diária…é a vida!

Aí vem a pergunta importante: como reconhecer um pessimista? Muitas vezes isso não é difícil. Alguns sinais são muito claros:

– O pessimista sempre tem idéias de como alguma coisa não deveria funcionar.
– O pessimista gosta de assistir esportes apenas se houver chance de acidentes.
– O pessimista não torce “realmente” por nenhum time.
– O pessimista reza, mas não pede a Deus pelo progresso de outras pessoas.
– O pessimista não progride.
– O pessimista semeia coisas ruins. Em troca, recebe da “natureza do universo” exatamente o que planta.
– O pessimista sempre tem alguma notícia ruim “na manga” para o caso de alguma “emergência de felicidade coletiva”. A informação nunca é verdadeira mas, de qualquer modo, o faz sentir melhor perante a sua mediocridade.
– O pessimista é mesquinho e preguiçoso.
– O pessimista espera alguém fazer.
– O pessimista reclama, e reclama.
– O pessimista é infeliz.

 

E o otimismo? E a comunicação?

 

Alguém já disse um dia que a boa comunicação tem três partes: a transmissão, o meio e a recepção. Já notou como os otimistas sempre estão com a mente aberta para boas idéias e conseguem enxergar os bons motivos entre todas as informações disponíveis? Para tanto, basta ter decisão. Não ter preguiça e realmente procurar pelo conhecimento, sempre. Só assim é possível escolher a opção certa. Saber a informação correta. Discernir entre a verdade e a má fé. Não ser apenas um “papagaio de realejo”. Saber que existem coisas boas. Pedir a Deus por mais coisas boas, para todos! Semear e distribuir a felicidade. Ser mensageiro de notícias boas e verdadeiras.
Ser corajoso! Ser feliz! Ser otimista!

Marcos Pontes

Marcos Pontes

Marcos Pontes é engenheiro aeronáutico (Instituto Tecnológico de Aeronáutica - 1993) e mestre em Engenharia de Sistemas (US Naval Postgraduate School - 1998). Selecionado pela NASA/AEB em 1998 (turma 17 de astronautas NASA), o astronauta Marcos Pontes possui 25 anos de experiência na Força Aérea, trabalhando como piloto de caça, piloto de testes, especialista em segurança de voo e engenheiro em importantes projetos de tecnologia e operações militares. Foi transferido para a reserva militar em 2006 no posto de tenente coronel e continua até os dias de hoje trabalhando como astronauta (carreira civil) para o desenvolvimento do Programa Espacial Brasileiro. É o primeiro astronauta brasileiro, primeiro astronauta profissional de nacionalidade única de um país do Hemisfério Sul e primeiro astronauta lusófono. Pontes foi o segundo de sua turma de astronautas da NASA (32 membros) a realizar um voo espacial. Em 2006, realizou sua primeira missão espacial para a Estação Espacial Internacional a bordo da espaçonave russa Soyuz TMA-8, juntamente com o cosmonauta Pavel Vinogradov e o astronauta Jeffrey Williams. Atualmente, além de eu trabalho junto ao Programa Espacial e enquanto aguarda escalação para seu segundo voo espacial, Pontes atua como CEO da MP Engenharia, uma empresa de P&D, como palestrante profissional, como coach especialista em desempenho pessoal e profissional, como pesquisador convidado do Instituto de Estudos Avançados da USP-SC e como diretor técnico espacial do Instituto Nacional Para o Desenvolvimento Espacial e Aeronáutico. É o embaixador mundial da Worldskills International para o Ensino Profissionalizante, embaixador no Brasil da First (For Inspiration and Recognition of Science and Technology), embaixador da Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial (Unido) e presidente da Fundação Astronauta Marcos Pontes, uma organização sem fins lucrativos para a promoção da educação, da ciência e da tecnologia como ferramentas para o desenvolvimento sustentável no planeta. Marcos Pontes tem 3 livros publicados e recebeu um grande número de medalhas e condecorações pelo seu trabalho pela educação, ciência, tecnologia e desenvolvimento social no Brasil e em outros países, incluindo a denominação de um asteroide com seu nome, o Asteroide 38245 Marcos Pontes.

Comente