One Comment

  1. Sueli Garcia Carpinelli
    9 de janeiro de 2017 @ 20:30

    Perceber a sensibilidade da Profa. Irene ao observar e revelar o potencial dos nossos jovens é algo revitalizador e traz esperança. Trouxe ainda a memória da nossa adormecida mas potente escola pública – agora sedenta por maior atenção. “Quer aprender? Ouça! Devemos ouvir estes jovens com a mesma pureza que eles têm ao falar”. Este pode ser um solavanco na altivez dos que na condição de mestres, doutores ou mesmo e tão somente de adultos colocam-se superiores. Não tenho alunos mas refleti quanto faço isso na condição de avó…: “Sem achar que nossa idade faz de nós seres superiores” perdemos a noção do alcance do saber das nossas crianças, dos nossos jovens: “Nossa idade, senhores, só nos faz mais velhos. E se esta velhice não significar rigidez, vamos mais longe se estivermos mais juntos.” Temos muito a aprender, começando pela forma de estabelecer um diálogo verdadeiro, colocando-os ouvidos e atendidos… e também agentes do seu próprio desenvolvimento. Gratidão Profa. Irene.

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *